Loading...

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

BONS "AMIGOS"

Acabo de ler no perfil de uma pessoa, em um certo blog, que ele diz ser meu amigo. Acho que não está atualizado ou mais uma vez estou certa que ele vive de aparências. Como pode ser amigo àquele que deixa mágoas e faz questão de mais? como pode ser amigo àquele que nunca soube ser o que deveria ter sido? como pode ser amigo àquele que nem às obrigações legais não cumpre? Talvez sejamos sim amigos, da onça. Nessas horas prefiro nem ter perfil. Mas é bom saber que ele é meu amigo, afinal sou eu que tenho motivos para não ser amiga. Sou eu que nunca esqueci o violão que nunca mais verei. Sou eu que sozinha estou arcando com tudo, como sempre foi. Agora entendo os motivos pelo qual me citou como amiga. Pena eu não ter motivos para retribuir. Muito pelo contrário, ando é muito brava pela sua forma irresponsável, indiferente e superficial de agir. Tento ignorar, mas é inacreditável o que uma pessoa pode deixar transparecer simplesmente pelo seu simples modo de ser, mesmo que irreal. Sou uma pessoa sincera, e o que meu "amigo" poderia chamar de "amarga" é simplesmente dizer a verdade. Então, se ouço algo contrário à realidade, acho difícil ficar calada. Bem, é isso, afinal é bom saber que tenho "amigos"!
UMA ÓTIMA SEMANA!!

domingo, 21 de agosto de 2011

À GOSTO

Já observaram que passamos mais tempo planejando um novo recomeço do que realmente recomeçando? Que passamos mais tempo tomando decisões definitivas que nunca acontecem do que realmente fazendo elas acontecerem? E que fazer as coisas acontecerem é difícil sim, e que somente "acreditar" sem sempre é o suficiente? Sabe aqueles momentos de angústia e tristeza profunda que você precisa desabafar e dizer frases não muito otimistas para desafogar a mente, e alguém implica em dizer que não pode ser assim que o você precisa apenas acreditar e "blá,blá,blá!"? Pois, então, nessas ocasiões parece que sou culpada e criminosa por tudo que sinto, que sou doida, louca, mimada, problemática, neurótica, desequilibrada, infantil, desleixada, descuidada,etc. e coisa e tal; sou tudo isso, menos uma pessoa que precisa de ajuda real, mais apoio, e menos condenação.
Estou tentando a alguns anos recomeçar e recomeçar e recomeçar, e hoje acho que isso não irá acontecer mais, por mais que eu tente, o mundo parece girar sempre em outro sentido. Falar de morte ainda é cedo, mas as vezes acho que preciso deixar esse "meu eu" morrer, e deixar renascer um outro. 

Dia desses, mexendo em umas coisas, achei uma pasta com minhas músicas, por uma razão meio estranha praticamente parei de compor (em um outro momento falarei disso), uma sensação nostálgica e depressiva, tomou conta ainda mais de mim, pois senti falta de algo que eu estava no início e parei, e naquele momento, lágrimas solitárias brotaram, como eu gostaria de voltar a cantar de novo, só eu sei o quanto eu gostaria. E esse foi um daqueles planos que venho planejando, planejando e nunca acontece. A obesidade me tirou a coragem de prosseguir com meu trabalho nos palcos, dentre outras inúmeras coisas, que nem vou citar agora. É comum ouvirmos alguém dizer que temos que acreditar em nós mesmos, sozinhos e independente do que os outros dizem ou deixam de dizer, e que isso é o certo, e é o bom e pronto. Tudo bem, acho que  faço parte do outro grupo de pessoas, preciso que acreditem em mim, necessito disso. Observe que, normalmente, as pessoas de sucesso tiveram apoio e incentivo o tempo todo, principalmente familiar; então,   analiso minha condição e percebo que tenho mais um ponto negativo, dentre tantos que qualquer dia irei citar em alguma postagem dessas. E com o tempo tudo parece ainda mais difícil, inalcançável e irreparável. E então, nada dá certo, continuo obesa, longe dos palcos, sem casa, sem carro, sem lenço, sem documento. São tantas as divagações agora em minha mente,de incentivos e de "travas" que surgiram e ficaram incrustados em mim; talvez se eu fosse uma pessoa normal, isso não teria me afetado tanto, talvez eu seja realmente "desequilibrada" como meu ex-marido gostava de falar quando brigávamos (o que era sempre), mas como ele não é um bom exemplo e tampouco psiquiatra, acredito apenas que realmente não sou muito normal, e apenas isso (risos, qualquer dia escrevo  sobre casamento e experiências para expôr melhor minhas colocações)

Mas concluindo, eu ainda estou aqui e na estrada, em algum caminho. Mulher, mãe, obesa, professora, musicista, batalhadora, solitária, rebelde, cheia de traumas e marcas; cheia de descrenças e crenças, passado e passadas, passos errados e corrigidos, e anseios por um futuro que há de vir. Com um futuro "A Gosto" conforme o cardápio, mas que nem sempre agrada o freguês. Deixo aqui uma linda canção para vocês e assim, deixo também, um pouco de mim carregado na letra e melodia dessa música que faz parte de minha vida e história. 

Uma ótima semana a todos!


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

DEPOIS DE UM LONGO TEMPO


De volta o espaço dimensional após um longo tempo, e hoje retorno mais uma vez com alguns daqueles loucos sentimentos, daqueles loucos momentos, que carrego em minhas lembranças, daquelas loucas histórias que buscamos acreditar que jamais irão voltar do túmulo.  Estou hoje aqui de volta, num daqueles dias que eu deveria estar longe de um computador e mais próximo da vida real, então percebo que essa é minha vida real.
E mais uma vez estou aqui de volta ainda mais insana, intensa e verdadeira. Retorno num daqueles momentos onde não quero dizer nada para agradar ou para amenizar nada somente porque convém. Não quero ser gentil, não aqui, esse é meu espaço, minha dimensão. Os meu olhos estão cansados, e nunca houve ninguém para perguntar o que há com eles. Onde estão todos? Os poucos se perderam  pelo caminho. Acho que estou cansada. Sinto uma necessidade muito grande de explodir de vez, as implosões machucam e cansam. Estou calejada demais e ainda sou jovem demais.Qualquer dia desses eu vou e não volto mais. Bom fim de semana!


sábado, 9 de julho de 2011

A volta do tráfico humano | Revista Seleções


Vale a pena conferir esta matéria produzida pela Revista Seleções. O assunto é urgente, precisamos estar atentos para essa rede organizada de crimes. O tráfico humano não é história, é fato, e está acontecendo agora.

 por DriccaOliveira
ESPAÇO DIMENSIONAL NO FACEBOOK

INSANO AMOR


Monstro carnívoro

Príncipe dos meus sonhos
Hipócrita e canalha
Soberano amor

Cão das trevas
Anjo de minha alma
E preenche meu coração
E sangra meu coração

Infeliz criatura
Roubou-me as esperanças

Mostrou-me um belo amanhã
E o fez cacos sobre minha pele



Onde estarás, ser cruel?
Sonharás meus sonhos
em outros braços e abraços?
Vivendo minhas aspirações
em outro ventre?

Sou só agora
Serei só lá fora
Não tão só
Por que carrego comigo
Um anjo amigo
Que jamais terás
Meu filho!

Poesias do Túnel do Tempo
Datado de 2003
Dricca Oliveira

quinta-feira, 26 de maio de 2011

UMA VELHA PAIXÃO

"Nada é tão gratificante do que estar apaixonada

Essa bela frase ficou ecoando em meu ser durante algumas horas depois de ler um artigo.
Bem, como a propria frase diz, o artigo falava das belas sensações quando se está apaixonada.
Afinal, estar apaixonada nada mais é que um estado de espírito!
É fundamental estar apaixonada sempre!
Todos os dias!
Mas sempre aparece alguém é pergunta: quem é o filizardo?
A resposta perfeita seria: eu mesma!
Uma relação profunda e intrigante é essa paixão que sinto,
passamos por uma longa crise, afinal são decadas de convivência.
E por diversas vezes quase terminamos,
mas percebi que não podia viver sem mim.

Mas mudanças acontecem, e nada mais é como antes...

E amargurada pela dura relação vivida a longo de anos
injustamente, renego essa relação.
Parece que nada está como deveria ser,
sua beleza não é a mesma.
Onde está aquela linda mulher?
Aquela mulher jovem e maravilhosa que conhecí?
Será que não dei atenção o suficiente?

Bem, na verdade, achava ela feia
 e fazia questão de lembrar isso.
Mas só agora vejo o quanto fui cruel, 
me deixei levar pelos outros
e desprezei..
Por diversas vezes ignorei as qualidades.

Hoje estamos em crise, de novo.
Sei que preciso desse amor, dessa paixão pra superar conflitos
Mas acho que preciso de mais alguém nessa relação,
quem sabe uma terapia de casal ajude!

Mas uma coisa eu tenho certeza,
preciso fazer as pazes e reconquistar aquela paixão de 4 anos atrás,estávamos no auge!
E dessa vez a luta será maior, eu sei que preciso de mim.
Quero acordar pela manhã
Relembrar e reanimar essa paixão, senti-la gratificante.
Preciso aceitar e  fortalecer  objetivos, tão abalados por essa crise

Preciso amá-la como está agora, assim poderei ajudar.
Reaprender essa paixão e sentí-la plena e absoluta.

Quero acordar todos os dias de minha vida e lembrar 
QUE ESTOU APAIXONADA
e o quanto eu me amo.




sábado, 21 de maio de 2011

CinePirata - O Novo Blog!

Olá! Estou inaugurando um novo  blog e gostaria de apresentar a vocês.
"CinePirata", um espaço no meu diário virtual dedicado a filmes diversos que assistirei, e depois postarei breves comentários e opinião pessoal sobre a obra em questão. Sempre apreciei assistir filmes, seja cinema ou dvd, o mais importante é a viagem. Certa vez, quando adolescente decidi fazer uma lista com todos os nomes dos filmes que havia assistido. Ler o título do filme que  havia assistido a muito tempo me fazia relembrar e reviver a história. Mas a ideia não vingou. O tempo acabou com o papel. 
Então, hoje, num lapso de momento decidi trazer essa paixão pro meu blog. Espero poder dividir opiniões, experiências, lançamentos e guardados do baú.
Espero que todos curtam bastante! Um abraço e já já o primeiro filme!

http://espacocinepirata.blogspot.com/ 

segunda-feira, 18 de abril de 2011

SIMPLISMENTE TANTRIKA




“O tantra não é apenas uma filosofia sexual, como muitos desinformados acreditam. O tantra é uma filosofia de vida, uma forma  de ver e viver plenamente.  
É consciência de toda a vida dentro de fora de nosso corpo, do todo que nos rodeia.  É a descoberta da verdadeira essência da vida! Ser tântrica é ser livre, é ser intensa. É saber o verdadeiro valor  da natureza como um todo. É saber chegar ao êxtase em tudo que somos. É existir por completo, e não pela metade. Assim sou tântrica! “  ( dricca oliveira )
 
UM POUCO MAIS SOBRE TANTRA

O Mestre DeRose define tantra como a arte de conhecer-se a si mesmo através do outro.

fotos 1674
  Tantrika, ou tantra como é hoje conhecido, é uma filosofia comportamental originária do período dravídico e pré-dravídico. De características matriarcais, sensoriais, desrepressoras e  naturalistas. Surgiu há mais de 5.000 anos na Índia, nessa altura habitada pelo povo drávida, cuja sociedade e cultura eram matriarcais, sensoriais e desrepressoras. Este povo era considerado tântrico, dado possuir as três qualidades principais que caracterizam essa filosofia.

fotos 1700
A maioria das sociedades primitivas não-guerreiras (cuja cultura não era centrada na guerra) tinham as características do tantra. Elas valorizavam a mulher chegando mesmo a divinizá-la, em parte, por dar vida a outros seres humanos e alimentá-los com o seu seio. Era considerado um milagre, que o homem não compreendia ou conseguia reproduzir. Por esse motivo era adorada como encarnação da própria divindade. Através das práticas tântricas, era a mulher que despertava o poder interno do homem por meio do sexo sacralizado. Ainda hoje ela continua a ser reverenciada dessa forma na linha tântrica (como uma Deusa).

Pelos motivos acima indicados e como consequência da sensorialidade, acentua-se a qualidade desrepressora do tantra. O impulso pelo prazer não é reprimido como ocorre noutras linhas comportamentais, pelo contrário, o tantra considera o prazer como uma via bastante válida na conquista do desenvolvimento interior.
No tantra não existe censura ou sentimento de culpa como é hábito frequente na cultura brahmácharya que dá valor principalmente à castidade. Por exemplo, no judaísmo, cristianismo e islamismo, o desenvolvimento interior só pode ser obtido pelo sofrimento e pelo controle dos impulsos, desejos e sentimentos. Ao contrário da cultura tântrica que demonstra que a evolução do ser humano acontece através da desrepressão e do prazer

Uma máxima tântrica diz: ‘quando caímos ao chão, levantamo-nos com o auxílio do chão’. Tal afirmação é dirigida especialmente aos opositores do tantra, os quais dizem que para atingir a espiritualidade deve-se negar o corpo. Para os tântricos, se a natureza nos dotou de instintos, emoções e sentidos, consequentemente, tudo o que tenha a ver com isso deve ser naturalmente utilizado e valorizado, pois é uma eficiente ferramenta de evolução. Nascemos com um corpo e com ele vivemos até morrer. Devemos cuidar dele, cultivar a saúde e bem-estar de forma a melhor podermos explorar os seus/nossos recursos e potencialidades. É através do nosso corpo que poderemos evoluir e compreender o universo. O Vishwasara Tantra refere um outro provérbio tântrico que diz: ‘O que está aqui está em toda a parte, o que não está aqui não está em parte nenhuma´

De acordo com Van Lysebeth[xvi], ‘cada estrela tem vida, no sentido literal do termo, portanto está habitada por uma forma de consciência, a mesma que existe em cada partícula infinitesimal nuclear. Esta vida universal, única, subdivide-se em inúmeros planos de existência e consciência. Para o tantra, enche até a vida interestelar… Impensável? Talvez… Mas a imensidão do universo é impensável! Inclusive para o astrônomo que faz malabarismos com centenas de milhares de anos-luz. Essas distâncias enormes são inimagináveis, e no entanto bem reais!’
“ Gostaria de dedicar esta postagem ao amigo e professor de yoga, Renilson Durães.”

espaço dimensional espaço dimensional1 images (21) images (31)

quarta-feira, 30 de março de 2011

O TEMPO NÃO PÁRA… NÃO, NAO PÁRA


Desde muito nova ouvia as pessoas, os mais velhos, dizerem: “ o tempo cura tudo! Com o tempo tudo passa!” ...e coisas do tipo. As vezes parecia algo lógico, sem tanta necessidade de ser repetido o tempo todo; outras vezes via como algo  sem tanta importância, afinal o tempo era apenas o tempo. Mas foi através dele, o tempo, que comecei a compreender melhor o todo em torno dele. 

O tempo me ensinou muito. Aprendi com ele que realmente muitas coisas passam, e que o momento é mais intenso que as lembranças. Aprendi que as lembranças, sejam boas ou ruins, são sempre bem vindas. Aprendi que só o tempo cura a dor de um coração ferido. Aprendi que tudo realmente passa.


Amar intensamente e viver a cada segundo como se fosse eterno, se entregar e abrir os braços para o mundo. Aproveitar toda oportunidade de viver aquele minuto que esta passando. Já dizia o poeta: “o tempo não para”.

Percebo o quanto o tempo fora meu  único aliado e amigo. Mesmo naquelas duras ocasiões que ele pareceu estar andando muito mais devagar que o normal. Quando a dor consumia meu peito. A aflição e amargura contida numa solidão sôfrega e isolada, ameaçava todo o restante de minha existência. Quando tive parte de minha vida roubada e me vi perdida. Quando percebi que tivera perdido realmente toda uma parte que não volta mais. 

O tempo amadureceu traumas e chagas; e por volta dos 18 anos  percebi que eu ainda poderia ser feliz e que o tempo tinha passado, e mesmo não apagando tantos fatos desastrosos e trágicos, tinha me feito compreender e a lidar comigo mesma. Amei, fui amada, me enganei, fui vítima de intrigas, chorei. Mas sempre tive consciência que eu era diferente. Por diversos motivos que, caros amigos, leitores e curiosos, irão descobrir. Encontrei nas lágrimas algo muito mais importante que a dor, encontrei a saída. Aprendi a chorar muito, ao invés de tentar me mostrar forte numa falsa indiferença. E através das lágrimas dizer adeus ao passado. O tempo me ensinou a ser criança. Àquela que eu perdi um dia.

Nos últimos anos voltei a ser telespectadora de minha vida. Sinto que deixei muito a desejar a mim mesma. E por milhares de vezes, novamente, deixei de acreditar em mim, e percebi me sabotando. Mas não quero que isso continue. Mesmo que eu tenha que recomeçar do zero em certos pontos e planos. O tempo urge calmamente, e cada momento, cada minuto, cada segundo desperdiçamos um instante único. Eu só preciso acreditar e sair por aquela porta que insisto em deixar fechada.

Então, quero me despedir desse tempo perdido. Não  posso recupera-lo, mas posso viver em dobro o presente. Meus inimigos ainda me rondam, meus rivais ocultos ainda me perseguem, meus traiçoeiros anônimos ainda vivem, mas ainda assim serão meus atos e feitos que realmente contarão. Me dê licença estes que agora por último citei, mas minha vida me chama, e eu preciso tentar, além de ouvi-la, compreende-la; Pois o tempo passa e cura, mas não volta atrás.

images (31)Com todo carinho, hoje dedico esta postagem ao meu amigo Ruber pela inspiração! Obrigada!
recuperando
 Dricca Oliveira

sábado, 19 de março de 2011

TRECHOS DE UMA AUTOBIOGRAFIA DIÁRIA : EM CINCO ATOS

DESABAFO  
PRIMEIRO ATO
fotos 2965Ontem a noite, diferentemente do que faço quase toda sexta-feira a noite, eu não fui ao meu ensaio semanal do coral. Algo doia muio. Na noite anterior tive insônia e só fui pegar no sono por volta de cinco da manhã. As oito horas eu tinha que estar no meu serviço para mais uma reunião semanal. Assim, não pude dormir.

SEGUNDO ATO
fotos 1796 Nos últimos 20 anos venho sempre passando por situações assim. Nunca pude ter uma vida normal. São variados os fatores e situações que me proporcionam esse estado mental, emocioanl e fisico que carrego todos os dias e noites de minha vida. Traumas, abusos, injustiças, falta de apoio, de amor e de uma família completa. A solidão e a dor são minhas fiéis companheiras. Sempre sozinha, parece que ninguém nunca percebeu nada. Minha mãe sempre trabalhando e o esposo dela, diga-se de passagem meu pai biologico, também sempre com sua vida ocupada; mas pra este, mesmo se tivesse tempo não faria diferença. Passei mais tempo sofrendo por viver neste mundo que vivendo ele. Passei mais tempo sozinha e sem amigos que cultivando os poucos que ainda poderiam vir a ser, passei mais tempo chorando que sorrindo. Me culpei, me senti o lixo do lixo, me revoltei, procurei sentir uma vida normal acontecer. Mas isso nunca aconteceu.
Odiei quando arrisquei ajuda “profissional” psicológica. Passei anos lendo e lendo tudo e de tudo,sobre o assunto pra tentar me ajudar e entender o que aconteceu comigo. E quando decidi seguir um conselho e ir a uma psicóloga, percebi que o serviço publico contrata qualquer um com diploma, independende de qualificação. Amo as ciências psiquicas, os profissionais é que são questionáveis. Estou melhor me abrindo escrevendo e pondo um pouco minhas frustações desse momento nessas linhas do que visitando um profissional ruim que acha que eu não quero ajuda. Quero sim, mas uma ajuda real. Não preciso que ninguém me lembre das coisas boas e dos bons motivos pra ser feliz; reconheço minhas qualidades e os tesouros que tenho, como meu filho. Mas preciso me curar da tristeza e da dor que sinto. Como uma onda, indo e vindo, e cada vez que retorna leva um pouco mais, parece ser mais forte.
Me apegar à toda maravilha que possuo, mesmo pouca. Não cura minhas feridas.
TERCEIRO ATO
fotos 2963Sou filha única de uma familia desestruturada, amada por minha mãe e odiada por meu “pai”. Meus erros? ser eu mesma. Não vou mudar, pois essa sou eu. E esse eu que aqui jaz hoje, já mudou. Fiz uma faculdade, tive um casamento fracassado, sou mãe de um garoto lindo. Trabalho, conforme as possibilidades. Vivo com meus projenitores, numa casa grande e ampla, onde teria tudo pra ser chamada de lar. Mas isso nunca aconteceu.
Sempre sonhei em ter amigos que frequentassem minha casa; amigos que fossem como àquela família que eu nunca tivera. Pessoas que eu pudesse dividir meus anseios e dores. Segredos e alegrias. Amigos que eu nem precisaria convidar para estar em minha casa. Daqueles que duram toda uma vida. Mas alguém aqui nunca deixou isso acontecer. Alguém esse que a muito esqueceu que deveria ao menos fingir que sente qualquer tipo de carinho por mim. Alguém esse que questiona tudo a meu respeito, e nem se quer me direge uma palavra a anos.
Se eu tiver que passar uma semana inteira fora a trabalho, tudo bem. Mas se eu fico um mês inteiro dentro de casa e decido sair um fim de semana pra me divertir, tudo muda. O clima pesa, e já começo a sentir os reflexos desse ato horrendo e criminoso que é sair pra se divertir. Não nasci pra viver em cativeiro, e não quero chegar no final da vida morando numa casa em que ninguém aparece pra visitar. Um pai não é obrigado amar um filho e vice-versa. Não estou exagerando como muitos devem estar pensando, pois estou apenas fazendo breves citações do comportamento dessa pessoa, comportamento esse que só me prejudica ainda mais. A situação sempre foi essa. E o fato é que meu sonho que família nunca aconteceu.
fotos 1579QUARTO ATO
Não conhece nada do meu mundo. Ainda bem, pois poderia achar motivos fúteis pra me rejeitar ainda mais. E se eu disser que não ligo, minto. Pois não queria que fosse assim. E esta chegando a hora de mudar. E quando isso acontecer será um adeus silencioso.
Nos  últimos anos me tornei obesa. Isso dói ainda mais quando sou ofendida de forma pejorativa pelo meu projenitor durante uma de nossas várias discursões. Agora percebo que nunca tive apoio emocional pra isso não acontecer. Cansei que viver uma falsa paz pra evitar confusões. Que paz é essa que só me faz entrar em guerra comigo mesma?
ATO FINAL  TRISTE
Perdí minha infancia. Perdi minha adolescencia. Nos anos que me resta algo precisa mudar, seja pra melhor ou pra pior, mas que seja rápido.
Não gostaria de ir embora antes do tempo pra amenizar um dor que poderia deixar de existir.
Preciso de muito pouco. Só preciso ser livre.               
BY CHANDRIKA

sábado, 5 de fevereiro de 2011

BATE-PAPO SOBRE BISSEXUALIDADE

@espacodimensional
Por que será que sempre que um homem lê num perfil de uma mulher que ela se considera bissexual logo vem comentários do tipo: "nossa! minha tara é transar com duas mulheres!” ou “  sonho! ficar com duas mulheres” e pra completar: “ Realiza minha fantasia, gatinha, de transar com duas!”, e por ai vai seguindo cada vez pior.

Diante dessa interpretação puramente sexual, surgem questionamentos:
 “Onde fica o sentimento, a conduta individual, moral ou emocional, nesse ínterim? Onde está o amor, a paixão e/ou, mesmo, a moralidade de cada um? Afinal, todo ser humano, necessita tambem de afeto, de amor!”

Ser bissexual, não significa, precisamente, transar com os dois sexos ao mesmo tempo. Tudo é uma questão pessoal, casual e/ou momentanea. Ser bissexual implica em ser hetero e homo, e não necessariamente ao mesmo tempo.
Lógico que não esta excluída a sexualidade, não mesmo; mas não é somente isso.  
Uma mulher, por exemplo, pode estar namorando outra mulher  e ser fiel a ela, e estar naquele momento numa relação homo, ou com um homem, numa relação hetero, mas sem deixar de ser bissexual.
Assim como num casamento. Nenhuma das partes deixa de admirar e desejar outras pessoas somente porque estão casados, esses sentimentos e desejos não vão simplismente desapareceram devido ao contrato por eles assinado, mas isso não implica sair por ai saciando esses desejos, pois assumem um compromisso e isso implica também um laço de fidelidade, ser fiel àquela condição escolhida. Não vejo, então, porque dar ênfase a bissexualidade se está num relacionamento unico e fiel com um homem, já que nesta relação está sendo apenas hetero.
 
Ser bissexual nao é apenas uma condiçao sexual, mas tambem afetiva. Seja heterosssexuais, homossexuais ou bissexuais, o sentimento sempre existe e as aventuras sexuais também. Mas esta independe de ser hetero, homo ou bi, pois é uma postura pessoal. E não é ser bi ou homo, que torna uma pessoa depravada. E pra finalizar aqui jaz registrado meu desagrado perante a postura equivocada da ala masculina.

Bem, parei de tentar me auto-definir. Não consigo perceber diferença entre ambos os sexos. Mesmo diante de uma afinidade maior com os homens, não nego nunca a admiração e atração que uma mulher pode causar.

” Eu gosto de pessoas, me apaixono por pessoas. Se é homem ou mulher, são só detalhes!”
dricca oliveira

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

2011: Planos e Aspirações….

Ano novo, vida nova!.. ... ...Será??
Bem pra ser sincera acordei e está tudo do mesmo jeito! Então onde está o "novo"?
TATPP Os mesmos planos e sonhos do ano anterior, que não ser realizaram; e o mesmo tedioso e cansativo janeiro de sempre. Sim, cansativo porque todo ano tenho a mesma impressão, a de que passei um ano inteiro caminhando pra chegar no fim descobrir que tenho que começar tudo de novo. E todo janeiro pra mim é isso, um retorno ao ponto de partida. 
No entanto, é importante estabelecer metas, sonhos, realizações e aventuras. Então, é justamente nesse âmbito que estipulo novos e velhos planos e realizações. Quero emagrecer 30 quilos (e isso não é sonho), estudar e tirar carteira de habilitação (nem de bicicleta sem andar), quero também desenvolver alguns projetos e sair de casa mais ( esse ano me escondi muito, e essa atitude não foi boa), e esses são meus primeiros passos; Logo depois, ou simultaneamente, gostaria de ganhar uns 300mil, acho que iria me fazer muito bem, e com certeza, comprar um carro, uma moto e uma casa, e investir muito em minha pequena família, e ganhar mais 300mil pra completar (o que custa sonhar!? vai que acontece!!.."risos); E pra completar, preciso cuidar muito de mim, literalmente e em todos os sentidos, lados, âmbitos, aspectos...
Quero tudo e ser tudo, e sentir tudo; e quando eu achar que já acabou quero tudo de novo! E vou mostrar isso em mim, com mais uma flor no meu  jardim!
Feliz 2011.
TATOO P-horz
by dricca oliveira






...o tempo urge, calmamente.....

Loading...

Marcadores